sexta-feira, janeiro 27, 2006

O regresso de Ursula Rucker

A norte-americana Ursula Rucker regressa em 2006 com o disco «Ma`at Mama».
A spoken word mistura-se com uma sonoridade urbana cada vez mais singular.
Ursula Rucker tem alma de profeta. Mas não de um pálido discurso de banalidades. Ela fura o baixo ventre e arranca sentimentos do esófago mais decrépito. Ursula Rucker faz uso do seu passado afro-americano, mesmo que por vezes soe um tanto racista, para expressar visões mais que pertinentes.
Entre recuperações esporádicas à nova black music («Hot in Here»-Nelly, «Hollaback Girl»-Gwen Stefani, «The Seed»-Cody Chesnutt, via The Roots), balanços instrumentais mais hip-hop, downtempo, jazzy, afro-qualquer-coisa, a artista debita um punhado de verdades experienciadas na primeira pessoa, bem como contextualiza segregações de pensamentos, que no conjunto Rucker, tornam-se identidade.
A diva-anti-diva sugere em «Ma`at Mama» uma imagem de Rucker diante de uma rua stressada, segurando uma bíblia urbana pós-moderna, recitando em direcção aos olhos de quem se atravessa no incisivo discurso da artista.
Na trindade conjunta com Michael Franti e Ani Di Franco, Ursula Rucker recusa estagnar em ofensas baratas e sem direcção. As coisas são para ser ditas e Rucker faz o favor de ser explícita no que fala. Atente-se na frase final de «Black Erotica»: «there you have it, the longest minute in cunnilingus history»…

in DiarioDigital

quarta-feira, janeiro 25, 2006

Dixon, o dj dos Wahoo em Portugal

O bar 31 no Porto no dia 27, e a discoteca Lux em Lisboa no dia 28, vão receber o alemão Dixon (Wahoo, Sonar Kollektiv, Innervisions ), um dj de house por excelência, que é hoje em dia uma peça incontornável da dance music mais pura e profunda.
Como outrora Larry Levan, David Mancuso e outros, Dixon é o dj dos djs, aquele que cria linhas de inspiração e dá motes de novas tendências, sendo seguido atentamente tanto pelos críticos como pelos clubbers.
Tendo começado a sua carreira a meio dos 90, depressa se tornou um dj respeitado e residente dos mais importantes clubes de house de Berlim, cedo se notando que a sua definição de house era mais profunda que a vivida nessa altura. A produção seria o seu próximo passo, a partir de um desafio dos jazzanova, nasceu uma paixão que hoje influencia clubes de todo o mundo, quer com as suas produções (a solo ou com o seu amigo Georg Levin como "Wahoo") quer com a sua mais recente aposta, a editora Innervisions, editando nomes como Âme e Marcus Worgull entre outros.

Mais informação de Dixon em:
sonarkollektiv.com/artists/Dixon

Alexkid em terras Lusas com a D.C.

(clica para aumentar)

terça-feira, janeiro 24, 2006

DJ Deev and DJ Martin @ Maus Hábitos

(clica para aumentar)

«À manhã» de José Luís Peixoto no São Luiz

A peça «À manhã» do escritor de Ponte de Sor, José Luís Peixoto, vencedor do Prémio Jovens Criadores 1997, já está em cena no palco do Teatro São Luiz, em Lisboa, com encenação de Natália Luiza e Miguel Seabra.
O elenco da peça - com música original de Fernando Mota - é constituído por Carla Galvão, Carla Maciel, Paula Diogo, Pedro Diogo e Romeu Costa.
Segundo a produção, este é «um espectáculo que pretende reflectir sobre a esperança e a vontade diária de construir o futuro, repensando a nossa identidade enquanto povo e cultura».
Esta é uma co-produção do Teatro Meridional com o Teatro Municipal de São Luiz.
José Luís Peixoto estreou-se em 2000 com a pequena ficção «Morreste-me», publicada em edição de autor. Ainda nesse mesmo ano, publicou o romance «Nenhum Olhar» com o qual ganhou o Prémio José Saramago 2001.
Publicou já vários títulos tanto na área da poesia como romance e prosa, além de colaborar assiduamente em várias revistas portuguesas e estrangeiras.

domingo, janeiro 22, 2006

«O Regresso do DJ»

Sem direito a estreia cinematográfica no nosso país, surge nos clubes de video o DVD «O Regresso do DJ» («It's All Gone Pete Tong» no original), uma comédia dramática, baseada na trágica vida do DJ mundialmente famoso, Frankie Wilde.
Um génio na sua área, Frankie subiu a pulso, no mundo competitivo dos DJ's, até atingir um lugar de topo.
Mas a tragédia cruza-se com ele, numa altura em que vivia numa casa de luxo e com uma mulher de sonho, na ilha de Ibiza. Quando lhe surge um problema auditivo, fica rapidamente surdo, mantendo apenas um ouvido a funcionar, e tendo ainda de terminar mais uma temporada.
Com apenas 20% de audição os resultados são catastróficos, as multidões desertam, a companhia discográfica deixa-o cair, a mulher deixa-o e o empresário abandona-o. Frankie mergulha na depressão.
Será que vai ser capaz de regressar dos abismos como uma pessoa melhor? Será que vai conseguir reconquistar a sua sanidade e expulsar os seus demónios?
Este filme leva o carimbo da Zona 8, não só pela história em si, como também pelo alerta que faz do abuso de decibeis prolongado utilizado por muitos dj's e músicos.
Nos principais papeis encontram-se Paul Kaye, Beatriz Batarda, Kate Magowan ou ainda (a fazerem deles próprios) Pete Tong, Carl Cox, Tiësto, Paul Van Dyk ou Lol Hammond. A realização ficou a cargo de Michael Dowse («Fubar» e «237).
Vejam o trailler aqui no site oficial.
"It's all gone Pete Tong" é uma expressão em calão inglês que significa "it's all gone wrong" ("está tudo correr mal").

quarta-feira, janeiro 18, 2006

Yuk Yuk @ Passos Manuel

ATENÇÃO!!!
É já esta Sexta-feira, 20.Janeiro que aconteçe a festa Yuk Yuk
no espaço do Passos Manuel (Coliseu do Porto)
com estilhaços sonoros vindos das mãos de
DJ Deev e Apachi
atirados para o centro da pista de dança
com o objectivo de fazer dançar todos os corpos que por lá apareçam.

David Morales em Portugal

segunda-feira, janeiro 16, 2006

«A Meu Ver»

O jornalista Carlos Pinto Coelho (que deixou muitas saudades do seu magazine cultural «Acontece» na RTP2) lança esta Terça-Feira, dia 17, às 18:30, no Pestana Palace Hotel, em Lisboa, um novo livro de fotografias, tiradas por todo o mundo, com o título «A Meu Ver».
A fotografia é uma das paixões de Pinto Coelho, que neste livro são acompanhadas de textos inéditos, da autoria de nomes como José Saramago, Óscar Lopes, Fernanda Botelho, Luís Forjaz Trigueiros, António Alçada Baptista, Mafalda Leite, Fernando Dacosta, António Manuel Couto Viana e Maria Teresa Horta, entre outros.
Editado pela ASA e com um prefácio de Gérard Castello Lopes, o livro será apresentado por José Carlos de Vasconcelos e António Homem Cardoso.

Live orgasms

Nascida há 42 anos nas Filipinas,mas a viver nos E.U.A., DJ Triad tem-se dedicado profissionalmente ás massagens terapeuticas.
Á 10 anos atrás começou tambem a dedicar-se a passar música em bares e discotecas. Por essa altura começou a fazer pequenas "brincadeiras" com o que chama de "música orgasmica", nada mais, nada menos que pegar em gravações de casais a fazerem amor e mistura-las com vários tipos de música.
A coisa tornou-se séria e agora DJ Triad tem mais de 100 horas de gravações de orgasmos reais!
O cd «Live Orgasms In Concert» já esta disponivel nas lojas nos E.U.A. e on-line.
Agora DJ Triad quer tornar-se na "Rainha da Música Orgásmica".
No seu site convida todos os interessados, a remisturarem os temas do seu cd ou a enviarem para concurso temas dentro do espirito "orgásmico".

Vinil digital


Para os apreciadores do vinil, que guardam religiosamente os seus discos, foi criado o Continuum Caliburn, um gira-discos baseado nos ultimos avanços da tecnologia digital em prol de uma reprodução analógica quase perfeita.
Para terem uma ideia o chassis deste gira-discos é feito de um tipo de ceramica especial que não deixa passar vibracções a nivel molécular na superficie do prato.
Mas claro, isso paga-se. São cerca de... 50.000 euros.
Não é para as nossa bolsas, mas fica o registo.

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Hoje ouvi-te!

Hoje ouvi-te!
Depois desse silêncio ensurdecedor a que nos obrigaste, hoje consegui ouvir-te!
Entre gemidos - de dor ou de prazer –, entre gritos – de desespero ou de excitação -, entre palavras – duras ou suaves -, hoje ouvi-te!
Não entendi muito bem o que querias dizer, talvez não tenha feito esforço para ler nas entrelinhas dessa voz doce e bruta.
Sei que te ouvi repleto de magia, ouvi a música das tuas cordas vocais que me eleva, que me enterra, que me extasia e também me horroriza…
Sei porque conheço cada som, cada acorde dessa voz firme, mas meiga.
E lembro-me somente das palavras finais quando disseste: “Talvez um dia me voltes a ouvir… ou… Talvez seja hoje o último intervalo que fiz no silêncio que é nosso.”

por Aster [ http://aspalavrasaovento.blogspot.com ],
uma das mais recentes amigas da Zona 8.
(Obrigada!)

Nu Cool

Já está disponivel «Nu Cool: An Intimate Collection Of The Finest Bar Grooves», uma edição da sempre estilosa Hed Kandi.
Neste duplo digipack (portanto 2 cd's!) cheio de glamour, como é habitual nas edições desta editora inglesa, podemos encontrar faixas de Plantlife (em remistura de 4 Hero), Blue Six, Gaelle, Sebastien Tellier, The Jackson Five (remisturados por Fat Camp), Icognito, Crazy P, Soul Mekanik, entre muitos outros.

hedkandi.com


domingo, janeiro 08, 2006

Reciclagem para fumadores

Os designers Sergio Streun e Vincent Schertenleib resolveram transformar cartões telefónicos anteriormente usados em... cinzeiros.
Os cerca de 50 modelos estão á venda em 366cm.com.

Um verdadeiro Motherfunk nos Maus Hábitos!!

A Groob vai levar até aos Maus Hábitos a 3ª edição do Club de Funk.
A próxima edição, a 14.Janeiro tem como convidado o britânico Fryer da Motherfunk.
Fryer é hoje um dos mais conceituados e respeitados DJs da cena Funk britânica.Oriundo de Edimburgo, na Escócia, Fryer construiu, ao longo de 9 anos, uma das mais emblemáticas noites de Funk de todo o planeta, actuando semanalmente para mais de 600 pessoas, que todas as terças feiras, esgotam a capacidade do seu “Motherfunk”, clube por onde passam regularmente os maiores especialistas do género, assim como todas as bandas referência actuais. Coleccionador àvido, Fryer estendeu com naturalidade a sua actividade à area editorial, colaborando com Gerald Short na manutenção da Jazzman Records e da Funk 45, e tendo criado recentemente o seu próprio selo – Fryers – onde se dedica à re-edição em single (de 7 polegadas...) dos temas que mais têm marcado o seu percurso como DJ.

sexta-feira, janeiro 06, 2006

31 para 2006

O bar 31 no Porto (Passeio Alegre-Foz) já tem marcada a presença de alguns nomes importantes da música electrónica de várias cidades da europa cosmopolita e urbana para este ano de 2006.
De Oslo, Noruega chega Lindstrom+PrinsThomas(Feedelity/Eskimo) live+DJ dia 20.Janeiro;
De Berlim, Alemanha chega Dixon dos Wahoo (Sonar Kolektiv) a 27.Janeiro;
De Manchester (Reino Unido) vem os Unabombers (Electric Chair) aterram a 12.Fevereiro;
De Noremberga, Alemanha a presença dos Boozou Bajou (!K7) a 24.Fevereiro.

info em: trintaeum.com

Dance Club de Janeiro


(clica para aumentar)

House Music Awards


Já foram entrgues os House Music Awards relativo os melhores de 2005.
Consultem os resultados.

quarta-feira, janeiro 04, 2006

Yuk Yuk: DJ Deev + Apachi @ Passos Manuel


A partir de 2 pontes sonoras diferentes, eles juntaram-se para agitar corpos e mentes.
Cada corpo na pista de dança está á mercê dos estilhaços de ritmos urbanos contemporâneos.
Cuidem-se!

Atenção!!!

( Clica para aumentar)

terça-feira, janeiro 03, 2006

ATENÇÃO!


É já este Sábado o concerto dos dAnCE dAMage e SSTFM e o pós concerto com DJ Deev (em set especial de hard house, com algumas surpresas) no espaço dos Maus Hábitos (Porto).
Estão todos convidados a aparecer!